X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
X

Ouvidoria

Sua opinião é muito importante para nós!

Aguarde, enviando contato!
X

Graduação:

Sua opinião é muito importante para nós!

Aguarde, enviando contato!
X

Pós-graduação:

Sua opinião é muito importante para nós!

Aguarde, enviando contato!

Políticas de Pesquisa e Iniciação Científica

A FIAMA estabeleceu, prioritariamente, sua política de pesquisa no desenvolvimento da região de Belém - PA e, ao formular normas para a investigação científica, baseia-se:
- no artigo 207 da Constituição Federal que preceitua: as universidades obedecerão ao princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão; - no cumprimento do que prescreve a legislação em relação a “um terço de seu corpo docente com os graus de mestre ou doutor” (Art. 19 da LDB 9.394/96), o que habilitará a FIAMA a promover a pesquisa; - no atendimento ao seu princípio básico de auxiliar no desenvolvimento regional, haja vista só se conseguir atingir tal meta a partir da produção do conhecimento e não apenas da sua transmissão.

No entanto, haja vista sua característica inicial de Faculdade Isolada, a IES irá constituir a iniciação científica a partir a associação de projetos entre alunos e professores. Vale destacar que deverá ser constituído um núcleo de iniciação científica que deverá ter um regulamento próprio.

Desse modo, as perspectivas políticas acerca da pesquisa na FIAMA devem ser normatizadas em documento próprio e disponibilizados à comunidade acadêmica.

Pesquisador

O docente, com grau de Mestre, Doutor ou de Livre Docência, estará qualificado para desenvolver e coordenar pesquisa individual e, preferencialmente em grupo. Deverá, portanto, inscrever-se na Plataforma Lattes e sendo líder de grupo, cadastrar seu grupo no Diretório de grupo do CNPq.

Assim, serão considerados como colaboradores de pesquisa os docentes e alunos que participam de um grupo e de projetos de pesquisa.

Como já apontado na seção anterior, a FIAMA manterá um grupo de professores doutores com alta produção científica.

Política de Extensão e Cultura

Concepção de Extensão

A extensão se expressa e se valoriza numa dinâmica que se concretiza através da produção de conhecimentos, que acontece na interface instituição/comunidade. Superando com isso o processo de aprendizagem, exclusivo no espaço de sala de aula.

Um dos principais objetivos da extensão é promover uma relação transformadora, como instrumento de mudança numa relação de mão dupla, de troca de saberes com a sociedade.

A extensão se fortalece como prática acadêmica vinculada às atividades de Ensino e Pesquisa, as quais se traduzem na articulação e devolução do saber, construindo um novo saber a partir do confronto com as situações concretas. A Extensão, pela sua própria natureza, deve conduzir ao enraizamento da Instituição de Ensino Superior na sociedade; suas atividades devem ser planejadas para o benefício efetivo da comunidade.

Neste sentido, a IES ofertará vários programas e ações voltadas às práticas extensivas, tanto aquelas estabelecidas nos projetos pedagógicos dos cursos de graduação, como aquelas que já estão em pleno andamento na IES, como por exemplo o Núcleo de Práticas Jurídicas da FIAMA que atenderá demandas junto à comunidade da Região de Inserção.

Indissociabilidade das Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão

A relação da Extensão com a comunidade não se pauta no mero assistencialismo, mas numa forma de estender os conhecimentos produzidos para além de seus muros, de maneira a aproximar-se e contribuir mais com discussões à busca de resoluções dos problemas sociais.

Sendo assim, nenhuma ação de extensão pode estar desvinculada do processo de formação e da geração de conhecimento.

Nesta perspectiva, a função da extensão, integrada com a sala de aula, é de implementar ações através de programas, projetos, estágios curriculares, cursos, seminários, que envolvem a comunidade com diagnósticos da realidade que a cerca, intercâmbio de informações, sugestões e desenvolvimento de atividades que acabam fortalecendo a construção da cidadania. Esta é uma das maneiras de concretizar a articulação entre pesquisa, ensino e extensão.

Assim, a Extensão, enquanto atividade fim deverá aproximar e vincular as práticas pedagógicas das necessidades e interesses reais da comunidade numa perspectiva interdisciplinar.

Especificamente no campo da Extensão, a FIAMA desenvolverá projetos de cunho social, ambiental, cultural, esportivo e de inclusão digital, através de:
- Núcleo de Práticas Jurídicas.
- Estágios curriculares.
- Cursos de Extensão oferecidos à comunidade.
- Semanas acadêmicas, seminários e congressos.
- Cursos de formação continuada para professores.
- Assessoria e consultoria nas áreas dos cursos de graduação.
- Desenvolvimento de lideranças, especialmente com alunos monitores.
- Projetos de Empreendedorismo.
- Projetos de Inovação.
- Projetos Culturais e de defesa do patrimônio sociocultural- histórico.
- Projetos de Responsabilidade Social e de Sustentabilidade.

A participação do acadêmico nas atividades de extensão é parte essencial de sua formação. Contribui para ampliar experiências significativas, nas quais acontece o deslocamento do eixo pedagógico clássico professor/aluno para o eixo aluno/comunidade, com novo enfoque de sala de aula e o professor passa a ser coparticipante, orientador, educador, tutor.

Dessa forma, o processo de formação acadêmica torna-se mais rico e flexível, com a quebra de paradigmas que há muito estabelecem as normas do processo educacional. Conceitos como carga-horária, matriz curricular, controle acadêmico, verificação de frequência e de rendimento escolar, sistemática de avaliação serão relativizados. Mais valor terão os processos qualitativos; e a avaliação passa a ser compreendida numa perspectiva de crescimento. Docentes e discentes terão, além de novas relações, novos aprendizados, novo conceito de sala de aula, mais experiências acumuladas.

Para isso são necessárias mudanças estruturais, inclusive diferentes posturas de dirigentes, professores, acadêmicos e funcionários.

A busca do conhecimento há que ser um processo prazeroso, no qual a burocracia acadêmica seja rompida e a sala de aula transformada em espaço de permanente interação de troca de saberes, e que o aluno não seja um mero espectador, mas agente no processo. É nesta interação cotidiana que a função social da Faculdade se concretiza, fazendo da teoria e da prática um todo articulado.

Newsletter Faculdade Fiama

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades em seu email!